13.6.15

O CONVITE À VIDA DE ANDRÉ TRIGUEIRO





Foto: André Trigueiro no Mater Dei



Dia dos namorados, sexta-feira à noite. O hospital Mater Dei, em Belo Horizonte, abriu as portas em parceira com o programa Sempre Um Papo, para organizar uma palestra e autógrafos de André Trigueiro. Já havíamos comentado sobre seu livro "Viver é a melhor opção: a prevenção do suicídio no Brasil e no mundo."


O espaço não é grande, mas agradável. Um auditório com cadeiras removíveis, estilo poltronas, confortáveis. O público foi chegando aos poucos e se acomodando. Médicos, espíritas, voluntários do CVV (centro de valorização da vida). A palestra seria gravada e em algumas semanas todos poderão vê-la nas telinhas, mercê da internet e da equipe do Sempre um Papo.

Trigueiro fala muito bem. Ele combina a clareza de jornalista com a emoção que permeia sua fala rica de informações, às vezes engraçada. Sua palestra é uma quebra de tabu, muito cuidadosa e bem pensada.

Desde o livro “Os sofrimentos do jovem Werther”, de Goethe, preocupa-se com os impactos que o relato dos suicídios podem ter no público vulnerável. André mostrou muito bem, que a imprensa tem como diretriz não falar do assunto sob hipótese alguma, mas como se vai combater um mal social e individual que não se conhece? O jornalista entende que precisamos nos deter na forma que a informação é passada, e propõe alguns cuidados para se falar do suicído em público. 

No Werther, o personagem principal, com o qual o leitor pode se identificar, suicida-se como uma saída romântica para um problema amoroso. As pessoas em geral leriam a história como uma ficção emocionante, mas pessoas com alguma forma de vulnerabilidade, identificadas com o personagem e com o discurso romântico e justificativo da morte, impressionadas com a descrição minuciosa do modus operandi de Werther, podem ser negativamente influenciadas por ele. 

Outro ponto que André Trigueiro enfatiza bastante em seu trabalho é que o suicídio não tem causa única. É um fenômeno multifatorial, ou seja, o ato que desencadeia a morte é influenciado por muitas razões e oportunidades, ao contrário do que pensa o senso comum. Os transtornos de humor estão muito associados à tentativa de suicídio, mas a grande maioria das pessoas não sabe o que é depressão ou transtorno bipolar, e fazem julgamento de valor, acreditando tratar-se de covardia, preguiça ou acomodação, para maior sofrimento dos que padecem o mal.

O acesso aos instrumentos usados do ato também é um fator. Por esta razão se tem criado mecanismos de proteção em lugares usados para o suicídio, como bem lembra Trigueiro, como pontes, shopping centers e prédios altos. A alteração da composição do gás de cozinha e a dificuldade de acesso aos agrotóxicos são outras medidas de cunho político e social que diminuíram em seus respectivos países as tentativas do ato.

Trigueiro destacou a importância de ouvir e ser ouvido, que é a essência do trabalho do Centro de Valorização da Vida – CVV. Em uma sociedade na qual as pessoas vivem em função do relógio, sobram jargões e pequenas receitas que os amigos dão aos que resolvem abrir a alma e relatar seu sofrimento, o que não ajuda. A literatura especializada chama este fator de “apoio social” ou “suporte social”, cuja presença pode fazer pesar a balança para o lado da vida. Este trabalho lembra o “atendimento fraterno” feito nos centros espíritas.

Ao ouvir Trigueiro descrevendo o trabalho do CVV, recordei-me dos princípios da psicologia humanista, desenvolvida por Carl Rogers. Não diretividade, é um destes princípios. Enquanto ouvia pensávamos, minha esposa e eu, sobre a necessidade das pessoas que trabalham com atendimento fraterno estudarem a fundo, tanto o livro de André Trigueiro, quanto a técnica do CVV e um pouco da psicologia humanista. Isto evitaria o risco de se ouvir um pouco as pessoas que procuram o centro espírita e interromper o processo com a “receita de três passes” e “cinco reuniões públicas”. O passe pode ser um poderoso aliado para o portador de depressão, a ida à reunião pode quebrar por um instante o isolamento social que realimenta os pensamentos negativos, mas é preciso algo mais, e o trabalho de atendimento fraterno pode ser uma forma de enfrentamento social mais efetivo da depressão e do suicídio, sem pretender concorrer com a psicoterapia e o atendimento psiquiátrico.

Poderia ficar escrevendo páginas e páginas, tal a riqueza do trabalho do jornalista, mas deixo ao leitor o livro dele e, quando estiver no ar, divulgo o link desta palestra. Vieram os autógrafos e ele nos acolheu pacientemente, comentando com entusiasmo sua nova frente de trabalho. André Trigueiro, desejo-lhe sucesso! Cada pessoa que ouvir seu convite à vida e resolver enfrentar seus impulsos e ideias obsessivas, é um ponto de luz que se acende na teia da sociedade brasileira, a contaminar o todo com o desejo de superação.


Um comentário:

Adilson Assis disse...

Anteontem recebi meu exemplar e vou lê-lo nos próximos dias! Enquanto lia sua postagem, fazendo referência ao Werther do Goethe, lembrei-me também do Anna Karenina do Tolstoi e dos relatos deste, através de Yvonne, do quanto ele se sentia triste por tê-lo escrito e um dos motivos dele ter voltado através da mediunidade de Yvonne para influenciar de outra maneira seus leitores. Vou aguardar de modo ansioso/tranquilo a postagem do vídeo! :) :) :)