8.7.15

COBRAR PARA FAZER PRECE?




Há alguns anos uma mãe zelosa, preocupada com o filho e desejando que ele fosse atendido em um centro espírita, nos ligou. Havia ouvido falar no atendimento fraterno e explicou rapidamente o problema, expondo o interesse do rapaz em em procurar nossa instituição. Depois de tudo esclarecido, horários, procedimentos, não-promessa de curas, entre outros assuntos, ela me perguntou:

- E em quanto vai ficar? (referindo-se a dinheiro).

Fiquei surpreso, mas respondi:

- Em nada. Não se cobra por atendimentos em centros espíritas.

Ela insistiu:

- Ah, sim, mas você entende, né. Nos dias em que vivemos...

Eu também insisti:

- Minha senhora, se você for a um centro espírita que cobre por algum tratamento, passe, atendimento ou mediunidade, afaste-se dele.

Sempre entendi a gratuidade com as coisas espirituais como um pilar importante da ética espírita. Com certeza, as casas espíritas precisam de recursos financeiros para cobrir seus custos, mas eles são obtidos com eventos, contribuições dos sócios, venda de livros, lanchonete, parcerias com o poder público ou iniciativa privada, entre outros. Sempre me lembro de uma frase do evangelho, curiosa que diz: -"Onde houver o cadáver, aí se aproximarão as harpias".

Por estes dias recebi outro telefonema de uma amiga querida, que não é espírita mas sabe que sou espírita e tem alguma confiança nas minhas opiniões sobre o assunto.

- Uma amiga minha está pretendendo casar-se, e é espírita. Disse. - Ela olhou com uma pessoa para fazer o culto na hora do casamento, mas achou que ele está cobrando muito caro. Você teria alguém para indicar?
- Alice (nome fantasia), o espiritismo não tem rituais. Nós, espíritas, nos casamos no civil, apenas, sem qualquer cerimônia. O máximo que acontece é, no momento da reunião da família e dos convidados, alguém ligado aos noivos fazer uma prece, vinda do coração. Mas não há sacerdotes no espiritismo, e, definitivamente, não se cobra para fazer uma prece.

Ela riu, e perguntou ainda:

- Mesmo?

Eu insisti:

- Confesso que estou horrorizado em saber que alguém possa pedir dinheiro para fazer uma celebração em nome do espiritismo.

Ela gargalhou e entendeu.


Fiquei sem saber se a amiga de Alice era vinculada a algum culto afro e apenas confundia-se os nomes umbanda ou candomblé com espiritismo, afinal, são coisas diferentes e, portanto, com práticas, ética e costumes diferentes, mas fiquei pensando se realmente não haveria espíritas (kardecistas, como alguns gostam de dizer) realizando casamentos e cobrando por eles.

Um comentário:

Marcelo disse...

Lendo esse post lembrei de um fato que ocorreu comigo, certa vez fui convidado por uma amiga a fazer uma palestra num culto ecumênico em evento formatura acadêmica, ao término do evento o pessoal do cerimonial veio até mim e me propôs ser contratado (sic) para fazer um casamento "espírita" num hotel chique de Porto de Galinhas, eu receberia hospedagem, transporte e "ajuda de custo". Tive que explicar à moça, que não pareceu entender a princípio, que eu não podia aceitar, que não havia rituais e que para que eu fizesse uma prece em um evento como esse, precisaria ter algum laço de amizade com os noivos, e muito menos aceitaria qualquer compensação pecuniária.