4.8.07

O Estado Deve Regular as Religiões?

O jornal Estado de Minas, o jornal O Globo, o Angola Press, o jornal O Povo, baseados na Agência Nova China (infelizmente não encontrei a nota no site brasileiro desta agência), noticiam que as reencarnações dos Budas Tibetanos, para serem válidas, devem ser aprovadas pelo "Gabinete de Assuntos Religiosos do Governo Chinês".

Eles noticiam também que o último lama identificado pelo Dalai Lama, em 1995, o Panchen Lama, foi recusado pelas autoridades de Pequim, retirado da sua casa por autoridades e nunca mais foi visto.



Foto 1: Tibetanos exilados em Nova Délhi fazem vigília pela libertação do Panchen Lama (Fonte: O Povo)


Como pode um estado que se considera materialista histórico criar uma agência e atribuir-lhe a capacidade de identificar reencarnações de Lamas já desencarnados? Não é preciso ser muito perspicaz para entender que se trata de um uso político da religião, e que a ação desta agência tem fins manipuladores. Seria uma criança identificada como um Lama Reencarnado uma ameaça à potência Chinesa? Seria o budismo tibetano um poder capaz de desestabilizar um governo que tem sob suas ordens um poderio bélico de primeira ordem?

A perseguição às religiões ainda não terminou no século XXI.

3 comentários:

Anônimo disse...

Já pensou se um dia inventarem o "Gabinete de Assuntos Religiosos do Governo Brasileiro"?

Abraços.
M.V.Papa Lobo

Jáder Sampaio disse...

Marcus Vinícius,

Melhor nem dar idéias.... Eles iriam estabelecer se o Chico é ou não reencarnação de Allan Kardec, após conferência com o governo francês.

Um abraço

Jáder

Anônimo disse...

Pois é...

Outro acontecimento provável seria a pressão da Igreja ao referido gabinete para que Emmanuel não fosse reconhecido como o padre Manoel da Nóbrega!

M.V.Papa Lobo