14.8.08

Memórias de uma Enfermeira dos Espíritos

Foto 1: Dona Odete
Jáder Sampaio
Extremo Sul da Bahia, década de 90. Convidado a fazer uma palestra em no Centro Espírita Semente de Luz, em Mucuri, fiquei conhecendo Dona Odete.

Ela havia sido fundadora desta sociedade espírita, mas tinha uma longa trajetória anterior na participação em sociedades espíritas. Sua experiência mais interessante foi com uma médium de efeitos físicos que durante anos trabalhou em reuniões de materialização e tratamento em Teófilo Otoni, Minas Gerais, chamada de Sinhá, segundo sua filha Vera.

Os doentes participavam da reunião. Dona Odete assumia a frente dos trabalhos como se fosse uma enfermeira. Organizava, preparava o material que seria utilizado, agendava os presentes, entre outros cuidados. Um de seus cuidados mais especiais era com os vidrinhos de vacina que esterilizava, rotulava, enchia com água e colocava à vista dos membros da reunião. Ao longo da sessão, sob a ação espiritual, a água dos vidrinhos mudava sua constituição: uma nova cor, um novo odor e um sabor diferente. Cada vidrinho, destinado ao tratamento de uma pessoa diferente, podia apresentar uma coloração diferente dos demais. Um detalhe: eles estavam fechados e lacrados.

Outra peculiaridade da reunião: os espíritos materializavam-se na penumbra e conversavam com os presentes. Dona Odete guardou consigo uma fita K7 na qual registrou de forma amadora as vozes dos seres que surgiam e se manifestavam. É, talvez, além da memória dos que participaram, o único registro que fizeram e que resistiu ao tempo.
Comentários, orientações, explicações, um humor leve, tudo isto se encontra nos muitos minutos de gravação. José Grosso e Palminha são alguns dos espíritos materializados que falaram ao público (e tiveram suas vozes registradas pelo gravador).

Ao terminarem-se as sessões, estavam escritas as prescrições e orientações de uso do conteúdo dos vidrinhos. Como não havia curiosidade científica, não tenho notícia de qualquer envio para análise das substâncias modificadas ao longo das sessões. Uma pena!

Odete informou-me que uma vez Chico Xavier foi assistir aos trabalhos. Ele advertiu aos organizadores que aquele tipo de mediunidade tornar-se-ia cada vez mais raro. De fato, hoje se contam nos dedos os grupos que trabalham com efeitos físicos, e são mais raros ainda aqueles que obtém fenômenos expressivos, com participação de ectoplasma tangível e visível. Será que na presente encarnação ainda assistirei um renascimento deste tipo de fenômeno para fins de estudos controlados? Espero que sim.

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi Jáder,
Fiquei emocionada ao ler seu artigo, eu era pequena ainda, uns 10 anos , e participei dessas reuniões. Sou filha de Dona Odete, Maria Christina, e lembro muito bem dos fenômenos maravilhosos que aconteceram por lá.
Penso na oportunidade que tive de vivênciar tantas coisas lindas e tb na responsabilidade diante da doutrina.
Fiquei muito feliz. Obrigado por publicar algo tão especial pra minha mãe.
Um grande abraço.

Anônimo disse...

Desde quando cheguei em Mucuri, tive o prazer de conhecer uma grande pessoa que é um icone dentro do espiritismo. No que participei até hoje no espiritismo, fico emocionado em ter começado ao lado de Dona Odete. Uma pessoa muito especial que terá sempre seu destaque em nossas vidas.
Dou parabens ao Jáder pelo maravilhoso artigo, que concerteza marca a vida de todos que conviveram com ela.
Um Abraço.
Raphael Freitas