7.1.10

COMUNIDADE ESPÍRITA NOS ARREDORES DE BETIM-MG


Figura 1: Lenir, Humberto e minha pequena anfitriã.

Sábado pela manhã. Fui convidado para fazer um estudo para os pais (em sua grande maioria, mães) na Casa de Etelvina, município de Betim-MG.

A Casa de Etelvina foi construída nos anos 80, e houve um esforço do Célia Xavier para ampliá-la no ano retrasado. Eu ainda não a havia visitado após as reformas.

Boa parte dos voluntários, que realizam as atividades do sábado, saem de Belo Horizonte e fazem uma pequena viagem. Com medo de perder o caminho, encontrei-me com eles em torno das sete e meia da manhã. Como eles tinham que fazer escalas, fui acompanhado de uma jovem guia, do grupo da mocidade, que se confundiu no meio do caminho, e quase fomos parar na cidade de Mário Campos... Pergunta daqui e dali, todos os moradores de Citrolândia conheciam os centros espíritas em atividade na região, só não sabiam distinguir qual deles era a Casa de Etelvina.



Figura 2: Biblioteca

O bairro mudou muito. Quando foi construído, dizia-se que ele era habitado por famílias de egressos da chamada “Colônia Santa Izabel”, um local para tratamento de hansenianos que não conseguia vencer a barreira do preconceito social. Os pacientes curados da doença não conseguem reintegração na sociedade e muitos deles passavam a morar do outro lado do muro da região. Por esta razão a comunidade espírita de Belo Horizonte sempre teve uma atenção especial para o local.

Depois de passear pelo bairro, cheguei à Casa de Etelvina. A comunidade espírita interage com a população local e entre si intensamente. Parece uma grande família italiana, álacre, alegre... Fui recebido pelo jovem Aguinaldo com uma criança no colo.

Aos poucos fui levado por todos os espaços e reapresentado ao trabalho. Há jovens voluntários e voluntários de espírito jovem. Eles lancham em conjunto e trabalham como abelhas nas diferentes frentes.

Figura 3: Sala do Curso de Informática

Após o lanche os trabalhadores reuniram-se para orar e trocaram avisos, discutiram problemas rapidamente propondo soluções.

Hoje, Etelvina conta com uma biblioteca de obras espíritas bem montada. Pude ver pessoas buscando e trocando livros, especialmente infantis. A infância ainda é o grande mobilizador das pessoas de baixa-renda.



Figura 4: Reunião de Pais

Fiz uma palestra bem humorada e dialogada com as mães das crianças. O tema era evangélico, uma parábola, mas houve participação e conversa de todos, porque o espírito humano traz alguns elementos que não se modificam com a história. Vi mulheres lutadoras, que não se importavam em compartilhar algumas de suas experiências pessoais, histórias de amor e violência, trabalho duro e abandono, temperadas com bom humor e esperança.



Figura 5: Crianças Lanchando

Feita a prece final, fui fotografar a casa e acompanhar outros trabalhos. A Casa de Etelvina fez uma parceria com a CEMIG (Companhia Energética de Minas Gerais) e mantém um curso básico para eletricistas. Vi muitos jovens de calça jeans e satisfação por terem sido escolhidos para este curso. Se for bem sucedido, há planos de ampliar sua duração e o escopo da formação dos jovens. As duas salas com o material do curso parecem um pequeno laboratório de eletrotécnica. Disjuntores, lâmpadas, conectores e outros materiais elétricos compõem as bancadas de estudos. Pensar que muitos destes jovens podem estar ascendendo profissionalmente a partir desta iniciativa simples.

Figura 6: Painel de Ferramentas do Curso de Eletricidade Básica

Passei por uma sala onde uma equipe de passistas recebia as famílias interessadas. O ambiente era suave e o trabalho inspirado.

Figura 7: Bancada do Curso de Eletricidade Básica

Voltei a Belo Horizonte pensando nas comunidades primitivas de cristãos do oriente próximo.

Um comentário:

Priscilla disse...

Gostaria de saber os endereços de centros espíritas nos arredores de betim e se possível o telefone para me informar sobre os horarios de reuniões. obrigada.
priscilla