9.7.13

DESENCARNA HERMÍNIO MIRANDA


Hermínio (05/01/1920 - 08/07/2013)

"O pássaro agora voa liberto. Nós, que não mais podemos vê-lo, já sentimos saudades do seu canto."

Jáder Sampaio

Na década de 80 a União Espírita Mineira, em associação com a Aliança Municipal Espírita de Belo Horizonte, trouxe três estudiosos do espiritismo para um seminário sobre mediunidade. Jorge Andréa dos Santos, Suely C. Schubert e Hermínio C. Miranda.

Hermínio estava incomodado com o púlpito. Não era expositor, dizia, apenas escritor. Assentado, com um maço de páginas nas mãos, começou a ler seu discurso. E que discurso! Superado o impacto inicial de ouvir uma leitura, as palavras dele criavam vida após sair do papel. Eram tantas informações e com tanta elegância, que eu me dividia entre as anotações furiosas que fazia e a atenção necessária para acompanhar cada nuance, cada expressão, cada frase. Se ele temia o público, arrisco minha opinião póstuma: ele fez bonito!

Hermínio era reservado, tinha uma personalidade anglo-saxônica. A esposa completava-lhe o que lhe faltava. Recordo-me dela expansiva, simpática, calorosa. Os dois formavam um belo casal, cada um admirado por suas qualidades díspares.

Hermínio já era nonagenário, com extensa contribuição ao espiritismo e ao movimento espírita. Durante anos manteve uma coluna no Reformador, chamada "Lendo e Comentando". Ela trouxe aos trópicos de forma sistemática o que se pesquisava sobre comunicação dos espíritos e reencarnação nas terras anglófonas. Creio que das páginas do Reformador saiu o material para a composição dos livros "Sobrevivência e Comunicabilidade dos Espíritos" e "Reencarnação e Imortalidade".

Um de seus trabalhos sistemáticos foi com o atendimento aos espíritos. Apesar da personalidade reservada, ele mostrava um senso de percepção incomum e uma capacidade de diálogo transformadora. Como gravasse seus atendimentos, pode nos oferecer uma quadrilogia de livros intitulada "Histórias que os espíritos contaram", hoje publicada pela editora Correio Fraterno. A teoria do seu trabalho diferenciado, no qual incluiu técnicas dos magnetizadores do século XIX, encontra-se em dois livros: Diálogo com as sombras (FEB) e Diversidade dos Carismas (Lachâtre).

As incursões pelo magnetismo não se restringiram ao mundo das sombras, e ele fez sessões de regressão de memória com algumas pessoas. Luciano dos Anjos foi um sujet pleno de recordações da França revolucionária, que ele registrou no livro "Eu sou Camille Desmoulins", publicado em 1989, no bicentenário da revolução francesa, com uma explicação do autor que assegurava não ter podido publicar antes, e não estar se aproveitando das comemorações. Para quem agora escreve, seria uma simetria histórica.

Simetria histórica é um dos conceitos que ele desenvolveu e que foi empregado em muitos dos seus livros. As Marcas do Cristo (FEB), é um exemplo deste tipo de trabalho, no qual Hermínio compara a personalidade e história de Paulo de Tarso com a de Martinho Lutero. Este conceito seria empregado pela Dra. Nadia Luz, em sua tese de doutoramento em história, publicada na coleção Espiritismo na Universidade.

As biografias foram também uma de suas paixões. Ele publicou diversas, recuperando para o movimento espírita personalidades que passariam despercebidas nos dias de hoje, apesar de sua relevância. Guerrilheiros da Intolerância (Lachâtre), Hahnnemann, apóstolo da medicina espiritual (CELD), O pequeno laboratório de Deus (Lachâtre) e Swedenborg, uma análise crítica, são alguns dos exemplos.

Um de seus interesses era com a psicologia, na sua interseção com os fenômenos espirituais. Um de seus livros neste campo tornou-se best seller: Nossos filhos são espíritos (Lachâtre). Autismo, uma leitura espiritual (Lachâtre) e Condomínio Espiritual (Lachâtre) são alguns dos trabalhos com este perfil.

Creio que um dos temas que mais o intrigava era a transformação do cristianismo. Ele contribuiu com Os cátaros e a heresia católica (Lachâtre), Cristianismo, a mensagem esquecida (Lachâtre), Candeias da noite escura (FEB) e O evangelho gnóstico de Tomé (Lachâtre).

Das traduções, sua obra prima, é A história triste, de Patience Worth, que desenterrou do esquecimento juntamente com Memória Cósmica, cuja tradução está perdida em seu hard-disk.

Os livros do egito, que povoa suas recordações de além cérebro, o Edwin Drood, o livro de Dickens completado pela mediunidade e igualmente desenterrado por Hermínio, O processo dos espíritas, que reconta a injusta perseguição da sociedade francesa a um dos continuadores de Kardec, Leymarie, e muitos e muitos livros que não vou ficar citando, trazem seu nome e são frutos das suas horas de trabalho sério.

Voa, meu amigo, voa. Vai conhecer novos mundos, recordar mais vivências, reviver os tempos do Cristo. Voa bem alto, para que um dia possa retornar falando das luzes e do futuro.


10 comentários:

Anselmo Heib disse...

Parabéns Jader, lindo texto

Maria Ribeiro disse...

Que nosso querido irmão Hermínio receba a assistência dos Amigos Espirituais.

Maria Ribeiro disse...

Que nosso irmão Hermínio receba a assistência dos Amigos Espirituais.

Adilson Assis disse...

Nós, que por ora aqui ficamos, tristes permanecemos, mas os que já se encontram do lado de lá, festejam a chegada de uma grande alma!

Anônimo disse...

Obrigada Herminio pela maravilhosa passagem aqui na terra e pela heranca que deixa a todos nos.

Augusto Cesar Romano disse...

Resta-nos o sentimento de gratidão eterna, pelo muito que nos ofereceu, como contribuição de Luz para as nossas almas e enriquecimento da Literatura Espírita.
Obrigado Hermínio, com o respeito e a admiração.

Aron, um espírita disse...

Obrigado Dr. Hermínio. Muito obrigado!

Unknown disse...

Adoro os livros dele. Que os Espiritos Protetores o recebam em Festa!

bernar55 disse...

olá que nosso irmão retorne a Pátria espiritual e seja bem amparado.Pois nos deixou muitas lições,nesta vida.muito obrigado e muita luz.

Anônimo disse...

Eu não sabia que ele tinha se ido. Hoje busquei pelo nome dele no google porque procurava o endereço do centro espírita que ele frequentava aqui no Rio de janeiro, para que eu pudesse estar com ele. Gostaria de frequentar o local. Conheci o espiritismo através da obra dele denominada Nossos Filhos São Espíritos, há alguns anos. Ganhei de presente de uma colega de trabalho mas somente fui ler cerca de seis ou outo anos depois, em uma época exata. Quando ganhei o livro agradeci a pessoa embora não tivesse entendido de imediato que aquele era realmente um grande presente para o meu futuro. Chequei a trocar e-mail com ele quando terminei aquela leitura. Na data de hoje estava com necessidade de estar com ele, para esclarecer-me, talvez tratar-me e nem sei exatamente o que mais. Fiquei triste com a notícia que acabo de ter. Rezarei por ele. E, deixo aqui registrado o meu muito obrigado a ele pelas obras que escreveu e que tanto nos servem para esclarecimento. Rogo a Deus por ele e também por toda a família dele. Rogo a Deus também por todas as pessoas encarnadas e desencarnadas que ele ainda intencionava ajudar. Que Deus fique com todos e nos abençoe. Amém. Muito obrigada mais uma vez. Rio de Janeiro 20/09/2013.