28.4.14

O SLIDE QUE FALTOU...




No seminário "Mecanismos da Mediunidade", realizado no último sábado, mencionei uma imagem que explica a diferença entre vidência e clarividência na obra de Allan Kardec.

André Luiz usa apenas a palavra clarividência, ou sua equivalente, clariaudiência, para referir-se à faculdade dos médiuns videntes ou audientes.

Allan Kardec, contudo, estudou os fenômenos sonambúlicos, comuns nos meios do magnetismo animal, existentes na França de sua época. Uma das faculdades que o sonâmbulo, levado a este estado de hipnose ou magnetismo, podia apresentar, era o fenômeno da clarividência. Neste caso, um fenômeno que hoje chamamos de anímico, ou da própria alma do sujeito magnetizado. Concluindo, havia a palavra clarividência, usada para, por exemplo, percepção de fatos à distância. Kardec cita no vocabulário espírita do primeiro Livro dos Médiuns que a clarividência sonambúlica era sinônimo da palavra lucidez.

O sonâmbulo, contudo, era um estado de transe profundo (Kardec usa a palavra crise, porque parece que transe não era uma palavra utilizada pelos magnetizadores àquela época). Vimos no seminário que Charcot, professor de Freud, por exemplo, descrevia três estados de transe profundo em seus pacientes na Salpetrière: letargia, catalepsia e sonambulismo. 

Os magnetizadores, contudo, também conheciam pessoas que tinham percepções visuais sem os olhos, sem, no entanto entrarem em transe profundo. Isso era chamado de dupla vista.

Quando Kardec estudou os fenômenos mediúnicos, ele encontrou médiuns capazes de perceber espíritos e o mundo dos espíritos nestas duas condições: em transe profundo (que ele chama de crise passageira) ou em estado de vigília. A faculdade dos médiuns que percebem os espíritos sem as alterações próprias do sonâmbulo, Kardec denomina de "vidência mediúnica". Os que entram em um estado alterado de consciência, semelhante em alguns pontos ao sono, mas diferente em outros (anestesia de membros do corpo, capacidade de reagir a sugestões sem acordar, etc.) têm sua faculdade denominada pelo codificador como "clarividência mediúnica". 

Publiquei este trabalho completo no livro "O transe mediúnico e outros estudos", em 1999, que teve apenas 50 exemplares. Ele trata do conceito de vidência e clarividência em diversos autores espíritas ou não. A parte que trata do conceito em Kardec está publicada no Boletim GEAE, com as transcrições dos trechos dos livros de Kardec que demonstram a explicação acima.




2 comentários:

Ricardo Alves da Silva disse...

Saudações, Jáder!
Sobre o seu trabalho "O transe mediúnico e outros estudos", ainda tem disponível? Como posso acessá-lo? Hoje, 15 anos depois, você identifica oportunidade/necessidade de melhorias?
Abraços!

Jáder Sampaio disse...

Ricardo, infelizmente não. Foram apenas 50 exemplares e se esgotaram completamente. Creio que há muito o que adicionar dos estudos dos últimos 15 anos, embora a base dos estudos continue sólida, na minha opinião.