27.5.14

QUANDO OS ESPÍRITAS SE ENCONTRAM COM A SOCIEDADE




O movimento espírita de Juiz de Fora realizou neste último sábado o 9º. Fórum Espírita. Seiscentas pessoas, aproximadamente, acomodaram-se confortavelmente no salão do Clube Tupi, para debater com três conferencistas sobre o tema morte.
A entrada, em uma grande antessala, onde também foram servidos os coffee-breaks chamava a atenção pelo clima de reencontro e alegria. Pessoas das mais diferentes casas espíritas da cidade participaram da organização e muitas pessoas de fora, beneficiaram-se do evento. 



Uma exposição de fotos das casas espíritas da cidade compôs um grande painel, onde alguns participantes paravam para identificar as sua ou trocar lembranças com outros interessados.

Fui apresentado a uma simpática pesquisadora que chegou recentemente da Alemanha, e que fez parte da equipe que investigou o funcionamento cerebral de médiuns pintores, com neuroimagem. Vi a juventude e a seriedade da colega, e recordei-me de quando era mais jovem, tentando provocar os médicos  espíritas da época a estudarem com eletroencefalografia o transe mediúnico. À época eles julgavam a técnica pouco produtiva, mas o avanço da tecnologia, aliado à coragem acadêmica, nos presentearam com novos horizontes para a investigação da mediunidade e do espírito.



A palestra da manhã, feita pelo Dr. Alexander Moreira-Almeida, médico psiquiatra, apresentou o método de Kardec para a pesquisa da vida após a morte e as pesquisas que se fazem em nosso tempo de hoje. Rica em citações e referências, abriu um universo de leitura para quem deseja informar-se mais das tentativas do homem retirar o véu que cobre o segredo da grande viagem. As perguntas iniciaram-se ligadas ao tema, mas em pouco tempo o público dirigiu questões para o psiquiatra, esquecendo-se do tema central do fórum, mas procurando ouvir algo sobre suas dores e conflitos íntimos.



À tarde, apresentamos um trabalho sobre o processo de morrer e os relatos dos espíritos, colhidos pela mediunidade dos colaboradores de Kardec, pelas pessoas que informaram Camille Flammarion e pelos espíritos que continuam usando a psicografia hoje como canal de comunicação entre dois mundos. Temas diversos, como as mortes violentas, e dentre elas o suicídio, foram tratadas e tocaram as pessoas. O caso de Daniela ilustrou bem este tema nada fácil. Lembrei-me dos estudos que papai fazia sobre o tema, décadas atrás e da curiosa desencarnação de minha avó, que compartilhei com o público. Papai estaria presente? Se estivesse sentiria um pouco de nostalgia dos tempos de trabalho com o movimento espírita e lembrar-se-ia das muitas vezes que estivemos juntos ao redor do tema da morte e do morrer.

As perguntas foram francas, diretas e algumas, apesar do nosso apelo ao público, muito pessoais. Enquanto algumas perguntas vinham direto do intelecto, outras vieram diretamente do coração dolorido pela perda ou pelo sofrimento. Perceber o caráter consolador do espiritismo é tocante. Agradeço à ajuda de dois mundos pela inspiração das respostas. Sozinho não conseguiria perceber o significado profundo das perguntas que chegavam aos borbotões.



Após a palestra dirigimo-nos a uma mesinha simpática, para autografar  os nossos O observador e outras histórias e Casos e descasos na casa espírita. Os interessados formaram uma fila, sempre recebidos pela Julieta, nosso “anjo da guarda”, para autógrafos. Rapidamente, nos abraçavam, contavam suas histórias, trocavam impressões. Víamos pessoas de diversos lugares, presentes por diversos motivos, interessados em romper com o tabu, e algumas delas em lidar com as dores, as perdas de seres muito queridos que as anteciparam na grande viagem.

A fila continuava mesmo com o final do intervalo, o que não nos possibilitou assistir ao trabalho de Angélica Maia, sobre “educação para a morte”. Impossível deixar as pessoas que nos procuravam e que esperavam pacientemente sua hora de colher o autógrafo e compartilhar alguma coisa. Terminada a fila, outro compromisso. Uma entrevista para a tradicional revista “O médium”, que tantas histórias e reflexões trouxe ao movimento espírita ao longo de muitas décadas. Há um projeto de voltar a imprimi-la. Seguiu-se diálogo rico, com um jornalista bem informado e perspicaz. A palestra da Angélica ficou mesmo para uma próxima oportunidade.



As pessoas encomendaram os DVDs do evento e pude abraçar ainda uma família querida meio belorizontina e meio juiz-forana, que participava entusiasmada da organização do evento. O fórum será levado a outros, que não puderam estar presentes.



Perdoe o leitor por tantas observações pessoais, mas penso que só assim poderia transmitir o sentido de um evento  tão trabalhoso como este, que envolve tantos trabalhadores voluntários e participantes. Meses de organização se justificam, não apenas pelo conhecimento que se veicula, mas pelo encontro, esta coisa tão fora de moda, tão ofendida pela comunicação rápida dos tablets e celulares.

Nenhum comentário: