19.11.20

QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS ENTRE "O EVANGELHO SEGUNDO JOÃO" E OS TRÊS EVANGELHOS SINÓTICOS?

 


Encontrei hoje no texto de Milton Torres, professor da Universidade Adventista de São Paulo, um bom conjunto de explicações, acessíveis a todos nós, interessados no estudo dos evangelhos. Vou retirar literalmente as explicações dele, e interpolo meus comentários entre colchetes:

    1. “... ele [o evangelho de João] não faz nenhuma tentativa de se passar por uma biografia de Jesus.”

    2. “[O evangelho de João] não demonstra interesse por uma cronologia exata dos feitos de Cristo.”

    3. “... os longos discursos de Jesus ali registrados apresentam semelhanças formais com as preleções de Sócrates nos diálogos platônicos”

    4. “... como no caso de Platão, seu método é determinado pelo propósito que persegue, pois lança as ideias de Jesus em metáforas surpreendentes, dramatizando os momentos históricos para que alcancem uma sugestibilidade supra-histórica, para isso empregando símbolos e analogias”.

    5. “... o termo logos aparece, no prólogo de João, em íntima associação com outras expressões de longo pedigree filosófico: panta (“todas as coisas”, isto é, o “universo”); kosmos (“mundo”); sarx (“carne”)35; en archêi (“no princípio”), etc.

Com esses argumentos, ele tenta mostrar que o escritor de "O evangelho segundo João" produz um texto que é voltado não apenas aos hebreus e descendentes, mas também aos gregos e outros estrangeiros com acesso e influência da cultura helenista, e, dentro dela, de elementos da filosofia grega. É como se esse evangelho fosse uma produção em sintonia com a proposta de Paulo de levar a mensagem cristã para os gentios, através de um texto que é capaz de levar o cristianismo mais próximo à cultura dos membros das comunidades fundadas em cidades gregas e romanas.

Para quem desejar ler o texto todo, que se preocupa com o conceito de lógos, segue a fonte: 

TORRES, Milton R. A retórica joanina do Logos, Revista Caminhando v. 21, n. 2, p. 147-167 jul./dez. 2016. 

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/Caminhando/article/viewFile/6992/5506


4 comentários:

  1. E diante disso, fica mais evidente que o autor do Evangelho Segundo João, não foi o João que era discípulo de Jesus, que conforme Atos era iletrado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria uma demonstração de origem oral (ouvido de João)?

      Excluir
    2. É uma boa possibilidade. Ou, como pensam alguns, é um conjunto de ensinos orais cuja origem são os ensinos orais de João. Isso não diminui, a meu ver, a importância do texto.

      Excluir
  2. Paulo, colega! Eu não iria com "tanta sede ao pote". Os estudiosos da história dos evangelhos entendem que eles foram escritos a partir de fontes orais, ou seja, neste caso, alguém (uma ou mais pessoas) teria escrito a partir do ensino oral de João. Como João teria ficado alguns anos em meio aos helenistas, ele poderia ter aprendido elementos de sua cultura, oralmente, e as inserido em seus ensinos. Todavia, navegamos em um "mar de especulações", não é mesmo?

    ResponderExcluir