22.9.10

TRABALHADORES, FREQUENTADORES OU ASSISTIDOS?

Igualdade ou hierarquia?

Há algumas décadas o Espiritismo atrai a atenção de antropólogos no Brasil.

Maria Laura V. Cavalcanti (O mundo invisível: cosmologia, sistema ritual e noção de pessoa no Espiritismo) observou uma desigualdade entre cooperadores e frequentadores. Não sou capaz de identificar de memória a fonte, mas há uma desigualdade também entre assistidos e estas duas outras categorias.

Penso que estas desigualdades são um desafio para as sociedades espíritas do século XXI. Não sei se é possível fazer desaparecer estas diferenças com um ato administrativo, mas é necessário diminuir as barreiras que nós mesmos construímos sem perceber e que dificultam o trânsito entre estes diferentes lugares da comunidade espírita.

Uma doutrina de intelectuais?

Uma análise apressada pode concluir que o Espiritismo é uma doutrina repleta de adeptos na classe média brasileira porque demanda estudo e leitura. Não é bem o que nossa história nos mostra. Muitos dos intelectuais de nosso país não freqüentaram bancos de universidades, e alguns espíritas de destaque regional ou nacional eram (ou são) pessoas com pouca escolaridade, que desenvolveram o hábito de ler e de estudar no contexto da casa espírita ou em sua história de vida.
Assistidos e Trabalhadores em uma distribuição de sopa e pão da AMA em Ponta Grossa - PR

Quando há sensibilidade da comunidade espírita, os assistidos podem ser incentivados a dar sua opinião, lhes são passadas responsabilidades, e com algum tempo eles são motivados a estudar, expor, trabalhar e cooperar com o grupo, tornando-se membros ativos e com uma experiência de vida ímpar. Não é uma proposta fácil, porque nos grandes centros urbanos tenho visto pessoas que são fruto da violência e do abandono de pais vivos, que não viveram no contexto de uma família e a quem falta todo um repertório social que desenvolvemos em casa e na escola. A convivência e o pacto de regras de relacionamento se torna um desafio.




Grupos de Trabalho: Jovens


Frequentadores eternos?

O problema dos frequentadores pode ser uma falta de oportunidade. Nas cidades de médio e grande porte, e nas sociedades espíritas maiores, é possível chegar e sair praticamente incógnito em uma reunião pública. Se a pessoa é tímida e não é acolhida pela comunidade espírita, pode ficar assistindo reuniões durante anos, às vezes desejosa de participar mais, às vezes sem se ater que a associação espírita é um espaço cooperativo.



Reunião Pública


As grandes sociedades criaram grupos de estudo, cursos, ciclos, estudo sistemático e outras denominações para um conhecimento mais circunstanciado do Espiritismo, mas para superar a condição de frequentador é necessário conviver, participar de um grupo ou equipe de trabalho, conversar sobre assuntos que vão além da doutrina e do trabalho espírita e que possibilitam a formação de uma relação com alguma intimidade e confiança. Os laços de comunidade devem ser cultivados pelos dirigentes e trabalhadores das sociedades espíritas. Sua ausência pode significar um abismo entre estes três espaços sociais que os antropólogos observaram em nosso meio.

2 comentários:

Anônimo disse...

Acho que há sim falta de entrosamento nas pessoas,porque o ser humano não tem o hábito de se relacionar com facilidade com qualquer um.São poucas pessoas que se desinibem,e ao mesmo tempo vai com o tempo despertando o que há de bom nos outros(existem desinibidos-sem-educação também).Mas é bom que treinemos o respeito dentro e fora do centro,porque tal situação é do ser humano,cabendo nós do mundo da CARIDADE,termos coragem de conviver com temperamentos diferentes e semelhantes,com o objetivo de alargar nossa BOA HUMANIDADE que há em nós e nos outros,onde quer que estejamos!

Anônimo disse...

Acho que há sim falta de entrosamento nas pessoas,porque o ser humano não tem o hábito de se relacionar com facilidade com qualquer um.São poucas pessoas que se desinibem,e ao mesmo tempo vai com o tempo despertando o que há de bom nos outros(existem desinibidos-sem-educação também).Mas é bom que treinemos o respeito dentro e fora do centro,porque tal situação é do ser humano,cabendo nós do mundo da CARIDADE,termos coragem de conviver com temperamentos diferentes e semelhantes,com o objetivo de alargar nossa BOA HUMANIDADE que há em nós e nos outros,onde quer que estejamos!