17.1.14

COMO FUNCIONA O CÉREBRO DE MÉDIUNS PSICÓGRAFOS? UMA PESQUISA COM NEUROIMAGEM.


Júlio Perez

Há alguns anos, quando discutíamos a pesquisa da mediunidade, provoquei os palestrantes a fazer estudos de associação entre o funcionamento cerebral e o fenômeno mediúnico, mas os participantes não viam nas técnicas disponíveis, como a eletroencefalografia, possibilidades de análise confiável e segura para a proposta. O que havia disponível eram estudos de caráter especulativo, como o livro de Jaime Cerviño, publicado pela FEB (Além do inconsciente), os ensaios de Jorge Andréa ou descrições feitas por espíritos, pela via mediúnica, como os trabalhos de André Luiz (Missionários da luz, Nos domínios da mediunidade). São contribuições importantes, mas que necessitariam ser postas em teste, para consolidação ou reconstrução do que se acha proposto.

Passados os anos o conhecimento do funcionamento do cérebro e o desenvolvimento de novas técnicas de neuroimagem possibilitaram o desenvolvimento da neurofisiologia. Com um conhecimento maior do funcionamento cerebral , o acesso a aparelhos de neuroimagem para pesquisa acadêmica e uma nova cultura de pesquisa no Brasil, a questão voltou à cena. O que acontece com o cérebro quando, por exemplo, um médium psicografa? O padrão neurofisiológico e as áreas cerebrais afetadas seriam as mesmas de uma pessoa que escreve?

Os doutores Júlio Peres e Andrew Newberg publicaram um artigo com alguns dos achados feitos em uma pesquisa de neuroimagem com dez médiuns: cinco considerados menos experientes e cinco considerados mais experientes, com a técnica SPECT, considerada mais adequada ao tipo de tarefas que foi exigido dos médiuns. Eles tiveram seus cérebros  estudados enquanto escreviam normalmente, e quando em transe, psicografando. O artigo mostra as diferenças de fluxo sanguíneo e outras descobertas encontradas, e discute as diversas explicações possíveis aos achados.

Quem se interessa pelo tema, não deve deixar de ler este trabalho, que saiu publicado agora em língua portuguesa, na Revista de Psiquiatria Clínica da USP.  O acesso via Scielo é o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832013000600004&lng=en&nrm=iso Ele também tem um link para baixar o artigo em formato pdf, mais confortável aos olhos do leitor.

Nenhum comentário: