5.12.16

MORTALIDADE MATERNA: ABORTO OU EDUCAÇÃO?




O Dr. Alexander Almeida-Moreira, professor do curso de medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora, publicou há pouco no facebook, algumas informações para o debate acerca do aborto.

Um dos argumentos muito utilizados pelos ativistas pró-aborto, e que têm sido reproduzidos até mesmo por alguns jovens do movimento espírita, é que a aprovação da lei que regulamenta o aborto diminuiria a mortalidade materna das classes populares, porque estas mães não teriam acesso a cuidados médicos de qualidade para realizar abortos. Segundo as publicações abaixo, indicadas pelo Dr. Alexander:

"Clareando o debate sobre o aborto: o número de mulheres que morrem pelo aborto clandestino no Brasil é muito baixo e a liberação ou proibição do aborto não alteram a mortalidade materna. Abaixo, as pesquisas que demonstram isso:


Os experimentos naturais ocorridos no México (que liberou aborto em 2007) e no Chile (que proibiu aborto em 1989) indicam que a proibição ou a liberação do aborto não impactam as taxas de mortalidade materna. A queda da mortalidade materna se relaciona com as melhores das condições de saúde geral da população e, principalmente, com o melhor nível educacional das mães."


 Artigos:
http://journals.plos.org/plosone/article…

Nenhum comentário: