28.12.12

QUAL É O PAPEL DAS LIVRARIAS ESPÍRITAS NA DIVULGAÇÃO DOS LIVROS DE MÁ QUALIDADE?





Em uma publicação anterior http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2012/12/correio-fraterno-discute-as-mudancas-do.html, apresentamos a publicação feita pelo jornal Correio Fraterno sobre o mercado editorial espírita. http://www.correiofraterno.com.br/nossas-secoes/68/1110-edicao-448

Raul Teixeira, sempre contundente, fala com clareza neste vídeo sobre a publicação em massa de obras que se apresentam como espíritas.

11 comentários:

Alexandre disse...

Olá Jader,

Muito oportuno o vídeo do Raul Teixeira! Em minha opinião, disponibilizar livros de má qualidade doutrinária compromete a importância de se divulgar a mensagem do Espiritismo. É uma falta de responsabilidade com o jovem e o iniciante no Espiritismo que não tem, ainda, condições de discernir conceitos espíritas de conceitos espiritualistas.

Muito bom post de fim de ano!
Obrigado,
Alexandre F. da Fonseca

lea silva disse...

boa tarde ,concordo sim com alexandre,mas o que fazer?

Jáder disse...

Selecionar o que se vende na livraria espírita. Raul sugeriu que se criassem grupos de pessoas dispostas a ler os livros e aprovar ou não sua venda.

Já participei deste tipo de comissão em um clube do livro na minha cidade. Eles recebiam exemplares dos editores para publicação.

Jáder disse...

digo, para análise, aprovação e escolha...

lea silva disse...

acredito ser uma otima idéia,mas me desculpe eu iria ainda mais a fundo,como ;fazer um selo aonde constaria ser o livro espirita ou não,pq nas livrarias nao espiritas,muitos desses livros ficam juntos dos livros espiritas,mas acho sua idéia otima.

lea silva disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
lea silva disse...

Acho que deveriam ja sair dessa avalaiaçao com um selo.Confesso que esotu bem preocupada com esa situaçao.FELIZ ANO NOVO .

Jáder disse...

Lea, não sei se teríamos algum consenso sobre o que são ou não obras espíritas, mas a ideia de separar obras consideradas espíritas das espiritualistas, por uma comissão da livraria, já é uma boa sugestão.

Outra questão importante é investir na formação dos espíritas, através de ciclos de estudo, seminários, etc. Eles próprios devem ser capazes de distinguir o joio do trigo.

lea silva disse...

Boa noite,concordo plenamente com vc,e seria bom mesmo que os espíritas investissem em cursos,seminários,mas infelizmente nossa realidade é outra.Vejo isso na casa que frequento,onde um minimo de estudo é cobrado e mesmo assim muitos faltam.

lea silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Sem dúvida essa é uma questão que deveria ser enfrentada pelo movimento espírita. A seleção deveria começar pelos próprios médiuns, pois alguns se declaram claramente não espíritas e expõem seus livros nas casas espíritas. Além desses temos os que se dizem espíritas e não o são. Jamais li e não pretendo perder meu tempo com autores espiritualistas como Zibia e outros do gênero. Que Deus ilumine a mente dos dirigentes de casas espíritas para que tenham o mínimo de cuidado com a divulgação da Doutrina!